segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

Desliguei Zé Ramalho e saí

Conheci os inferninhos de Porto Alegre através do Oberdan, um estudante de educação física. E foi o personal barriga, aquele pançudo, quem nos apresentou esse cara.
Bebíamos num quarto da Ceuaca. Quando acabou a cerveja, fomos direto para os tais inferninhos. Oberdan escolheu a boate Metrópolis. Era amigo dos porteiros. Entrada franca garantida.
Naquele lugar não dava quase pra se mexer. Mas o bom disso é que tinha mulheres gostosas e grupo de garotas dançando de forma desvairada. E algumas de amassos com uns caras com pinta de pagodeiro.

Pra chegar até a copa foi uma eternidade. Daqui não saio, pensei.
Entre um gole e outro de cerveja, trocava olhares com as garotas. As acompanhadas me encaravam com malícia provocadora, mas eu fazia de conta que aquilo não era comigo. As putas estavam com seus machos e davam mole pra mim. Eu não queria apanhar dos homens delas.


Com o tempo não tínhamos mais cerveja, tampouco dinheiro pra pedir mais. Oberdan foi beber como alguns conhecidos dele. Fiquei ali, observando as mulheres.
Uma negra daquelas turbinadas olhou pra mim e sorriu convidativa. Entrei de sola, como dizem no futebol.

Bebi por conta do irmão dela. E vez em quando eu apalpava e dava uns beijos naquela gostosa.


Eram seis da manhã e já estavam fechando a Metrópolis. Eu tentei convencer a negra para ir comigo lá pra Ceuaca. Eu queria levar a mulher para o quarto do Oberdan, mas ela não quis ir. Sugeriu que fôssemos a um motel da Bento Gonçalves.
E não vai se acostumar, ela disse. Descemos do táxi em frente ao motel Magrife. Quando estávamos na portaria ela tirou o cartão de crédito e passou naquelas máquinas. Cartão inválido. E agora?, perguntei. Eu tenho dinheiro comigo, ela falou com orgulho. Ela confere na carteira o dinheiro. Tira uma nota de cinquenta. Treze, disse o porteiro. Quarto número treze. Era um dos quartos mais vagabundos e baratos daquele motel. Ao lado da cama, uma mesa de cabeceira com um microsystem do Paraguai em cima. Liguei o som e me joguei na cama. Zé Ramalho... Estava tocando a música “Entre a serpente e as estrelas.” Ela ficou ali em pé diante da cama me olhando, enquanto Zé Ramalho cantava.


“... e ninguém tem o mapa da mulher.../ ninguém sai com o coração sem sangrar, ao tentar revê-la...” O que é isso, mulher?, perguntei. “... um ser maravilhoso entre a serpente e a estrela...” Pare de chorar!, eu disse num grito. “ ... e os dois lado a lado, corroem o coração...” Já disse para parar de chorar e vir pra cama! “... não existe saudade mais cortante que a de um amor ausente...” Vem pra cama e dá uma chupadinha... NÃAOOO!!! Ela passou a manga da blusa no rosto para enxugar as lágrimas... Então bate umazinha pra mim, pedi. Ela olhou com raiva pra mim e chegou a cuspir no meu rosto ao falar essas palavras: VAI TE FUDER, SEU FILHO DA PUTA!!! Saiu do quarto e bateu a porta. Desliguei Zé Ramalho e saí.

Nenhum comentário:

Postar um comentário